Cape Town – África do Sul (parte 2)

Table Mountain

Table Mountain: vista de Signal Hill

Passei tantos dias em Cape Town e fizemos tantas coisas que precisei dividir o post em 2. A 1ª parte você vê aqui.

Dia 5- Passeio guiado para o Cabo da Boa Esperança. Com indicação do Hotel, fomos com a agência African Eagle e acabou saindo um mais caro que o esperado. Mas foi um ótimo passeio! Começamos por Signal Hill, onde se tem uma bela vista da cidade e da Table Mountain de frente. Depois paramos em Muizenberg (praia linda rodeada por mini casinhas de madeira colorida e muitos surfistas), Fish Hoek (muitos carros parados na rua: sinal de baleias à vista! E realmente havia várias!!! Fora o visual da linha de trem na beira do mar), Simon’s Town (com construções vitorianas na orla).

praia de Muizenberg, Cape Town

Muizenberg: linda praia!

 

Baleias em Fish Hoek

Baleias em Fish Hoek

Casas vitorianas em Simon's Town

Casas vitorianas em Simon’s Town

.

.

.

.

.

.

Boulders Beach (praia com colônia de pinguins. Paga-se 35 rands para acessar os decks que vão até a praia e chegar próximo dos pinguins). Na estrada, vi pela 1ª vez os babuínos! Ameeeeei!!!

P1240815

Pinguins em sua praia particular em Bolder’s Beach

Entramos no Parque Nacional Cape of Good Hope, vimos avestruzes, antílopes grandes, aves marinhas e leão-marinho indo para a famosa placa do parque. Paramos na False Bay View Site, com a vista mais fantástica do Cabo. Não quisemos subir até o farol de Cape Point, apenas o vimos de baixo, muito tumulto!

Cabo da Boa Esperança

Cabo da Boa Esperança

P1240855-IMG_1804-FalseBay

Passamos pela Misty Cliffs e Noordhoek Beach (para tudo, que eu quero descer e morar nesse lugar!), parando para ver as vistas. Fomos então pela Chapman’s Peak Drive (estrada costeira muuuuito bonita). Ao final, paramos para almoçar (quase lanche!) no Marines Warf em Hout Bay (onde pega um passeio de barco para a Seal Island, passeio opcional e pago a parte ZAR40, fica a 20 min de barco e tem muitas focas/leões-marinhos. Há também um mercado de artesanato). Então seguimos por Camps Bay e Clifton (caminho pela orla feito pelos red bus também).

Noordhoek Beach

Noordhoek Beach

Chapman’s Peak Drive e sua incrível vista

Chapman’s Peak Drive e sua incrível vista

Pedimos pro guia nos deixar na Table Mountain, pois enfim a tempo estava bom e queríamos aproveitar! Subimos no bondinho às 17h e vimos um belo pôr-do-sol. O ultimo horário de subida é 18h e de descida é 19h. De lá, pegamos um táxi pro hotel e jantamos no Hudsons Burger ali perto. (Mais imagens desse roteiro aqui)

Bondinho para Table Mountain

Bondinho para Table Mountain

Dia 6 – Safari de vinhos. Beber e dirigir não combinam. Portanto, foi mais um dia de passeio guiado. Fechamos um transfer particular com a Christiane, a mesma que nos buscou no aeroporto. Havíamos passado para ela algumas vinícolas que queríamos conhecer. No dia do passeio ela chegou 8h ao hotel para combinarmos o roteiro. Ela entende bastante de vinhos e tem muita experiência, então nos sugeriu outras vinícolas além das que pedimos e montamos um roteiro com 4, passando pelas 3 cidades da wine route. 1ª parada: vinícola Anura em Klapmuts/Stellenbosch, com degustação de vinhos e de queijos. Melhores (que eu comprei): Pinotage, Chenin Blanc e Cape Ruby.

Anura

2ª parada: Vrede en Lust em Paarl, com uma vista divina, onde se faz a degustação de uma ótima carta de vinhos, com muitas opções, de frente para as parreiras e uma linda montanha. Há hospedagem e pode-se alugar espaço em área aberta para eventos, como casamentos. Melhor vinho: Mocholate.

Vrede en Lust

Vrede en Lust

3ª parada: La Motte, em Franschhoek. Conta também com uma propriedade muito grande e bonita. Há restaurante, museu e hospedagem no local. Há também amostras de parreiras com cada uva para os visitantes observarem. É mais requintada, até banheiro é um luxo só, mas a degustação é mais limitada, e os vinhos não são melhores que das outras vinícolas. Não compramos nenhum, mas valeu pelo lugar.

La Motte

La Motte

Depois de uma paradinha para almoço, porque o álcool vai subindo… Fomos para a 4ª e ultima parada: Haute Cabrière vinícola e champanheria. Hummm! Fica também em Franschhoek. Na frente há um lago com vista para as montanhas e a degustação pode ser realizada ali fora! Levamos 2 garrafas de espumante e Pinot Noir.

Haute Cabrière

Haute Cabrière

Depois de tanto vinho e espumante, voltei pro hotel falando o melhor inglês da minha vida, kkkk. Até capotar e dormir. rs

Leia também:

6 opiniões sobre “Cape Town – África do Sul (parte 2)

    • Olá, Paula, tudo bem?
      Amei Cape Town. Estou com saudades já!
      Os contatos desse pessoal me foram passados pelo hotel onde me hospedei (Cape Lodge). Mas devo ter um cartão deles guardado.
      Acontece que estou em viagem de trabalho. Volto apenas dia 27/01. Posso te mandar depois dessa data?
      Se passar 2 dias e eu esquecer, pode vir me cobrar de novo! rsrs
      Abraços, Cris.

      Curtir

    • Boa tarde, Claudio (e Jessica),
      Infelizmente não fiquei com o telefone ou contato da Christiane, que fez o transfer do aeroporto e nos guiou no passeios às vinícolas. O hotel Cape Diem (que super recomendo) que fez todo o contato.
      Abraços, Cris.

      Curtir

  1. Boa tarde Cris, tudo bem?

    Estou indo para cape town em março agora com minha noiva. Gostaria de saber mais sobre esse passeio guiado para cabo da boa esperança. Ele parou em todos esses lugares que voce descreveu no “dia 5” ( Muizenberg, boulders beach, Noordhoek Beach, etc) ? Se sim, gostaria de saber se a parada tem tempo suficiente para aproveitar um pouco a praia com os pinguins e as outras atividades.

    Pergunto isso porque no meu roteiro inicial, coloquei que iria fazer esse passeio de carro pela Chapman’s Peak Drive , mas confesso que estou meio assim de nao aproveitar o trajeto se estiver dirigindo, por isso pensei na opção de um passeio guiado.

    Parabéns pelo blog.

    Abraços

    Curtir

    • Olá, Caio. Tudo bem sim, e com você?

      Sim, no passeio do dia 5 as paradas tem tempo suficiente para curtir tudo. Aliás, você mesmo que vai definindo quanto tempo quer ficar em cada parada. o guia-motorista vai apenas indicando quanto tempo seria interessante ficar para dar tempo de fazer o trajeto completo. É um passeio bem exclusivo. Vale a pena, viu? Eu não teria aproveitado tanto se tivesse feito dirigindo com a pressão de seguir GPS, na mão inglesa, e ainda apreciar a vista.

      Obrigada pela visita e comentário.
      Abraços

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s