Saint Tropez

Saint Tropez nem estava no planejamento inicial da viagem. Era mais longe (112km de Nice) do que estávamos dispostos a dirigir, mas depois que decidimos cortar Cannes do roteiro ficamos com tempo de sobra.

Foi com certeza a cidade que mais me surpreendeu da Cotê D’Azur.  Eu esperava um balneário moderno, cheirando a ostentação e glamour. Corpos sarados, iates milionários e desfile de moda. Quase igual a esse clip do Michel Teló, mas (claro), sem o Michel Teló.

Bom, a parte dos iates é exatamente o que esperava e a Marina é a primeira parada do turista na cidade. Você vai se ver de boca aberta observando os iates, um mais luxuoso que o outro. Claro, tem que rolar a foto no estilo “eu e meus barquinhos”.

Para conhecer o restante da cidade o ideal mesmo é estacionar o carro e ir andando. Fomos no pico do verão e o transito na cidade é bem chatinho. Na verdade, Saint Tropez é um pequeno balneário, com ruas estreitas e não muito amigáveis aos carros.

Deixamos o carro em um estacionamento perto da Marina e fomos bater perna. Nosso objetivo era conhecer a pequena (e única praia) de Saint Tropez, a Plage de Graniers. Pois é, amigos, eu também me surpreendi com essa informação. Para mim, a famosa Pampelonne Beach também ficava em Saint Tropez, mas ela fica em Ramatuelle, a 6km do balneário.

Sobre a Plage de Graniers, devo confessar que rolou uma decepçãozinha básica. Areia escura e quase batida, mar “escuro” e sem ondas. Nessa pequena praia, há um restaurante/club com cadeiras e guarda-sol. Decidimos não passar muito tempo alí e fomos conhecer um pouco mais a cidade.

A parada seguinte foi na Citadelle de Saint Tropez (€ 3), uma fortaleza construída no século XVI para defender a costa. A construcão está no topo de uma montanha e lá de cima você tem uma vista incrível da cidade. Lá dentro, o Museu de História Maritima.

Depois da visita a Citadelle uma rápida caminhada pelas ruaszinhas da cidade. Cada lojinha com roupas e acessórios incríveis, itens de decoração e restaurantes bastante simpáticos. Decidimos não parar para comer em nenhum restaurante, pois ainda queríamos curtir uma praia em Pampelonne. Quando a fome bateu, optamos por um menu bem francês: crepe!

A caminho do estacionamento vi que da Marina de Saint Tropez saem uns passeios pela costa. São uns barcos verdes que fazem diferentes roteiros. Peguei um folheto da empresa (Les Bateaux Verts) e fiquei babando nesse passeio aqui:

les3caps

Esse passeio custa € 20, mas todas as informações de dias e horários (e outros roteiros) você encontra aqui. Como tínhamos acabado de comer, o marido me convenceu a abortar a idéia. Foi uma das poucas coisas na viagem que queria fazer, mas não fiz.

Enfim, era a hora de conhecer a praia mais famosa da região, a Pampelonne Beach em Ramatuelle. Uma praia de areia clara e fofinha. Um mar super calmo, mas bastante bonito. Pela faixa de areia se alternam as praias públicas e privadas (restaurantes e bares com estrutura para você passar o dia – espreguiçadeira, guarda-sol, etc).

Tínhamos tudo o que precisávamos, então decidimos ficar na parte pública mesmo. Confesso que esperava um pouco de ostentação nessa tão famosa praia, mas o ambiente era bem tranquilo. Famílias, crianças, gente “normal”. Sem desfile de moda.

No final, acabei gostando bastante de Saint Tropez (e arredores). Pequeno, ainda com cara de balneário. Acho que a ostentação toda fica lá em alto mar, no desfile de iates e contas bancárias gordas.

Dicas:

– se você não é dono de um aqueles iates, vai achar tudo em Saint Tropez muito caro. Então leve seu “kit-marmita-sobrevivência” básico. A menos que você queira pagar uma pequena fortuna numa garrafinha de água (a “esperta” aqui teve que pagar).

– leve moedas. Os banheiros públicos de lá são cobrados, mas só aceitam moedinhas.

– o trânsito é levemente caótico em alta temporada. Procure um estacionamento (perto da Marina tem alguns), deixe o carro e faça tudo a pé. Ah! E esteja preparado para encarar engarrafamentos na entrada e saída da cidade.

Leia também:
Como conhecer a Cotê D’Azur
Èze e visita à fábrica da Fragonard
Nice, França
Côte D’Azur e Provence – mitos e verdades
Mônaco, um pequeno país “na” Côte D’Azur

Uma opinião sobre “Saint Tropez

  1. Oi Chris, amei o seu post! Também sou apaixonada por Saint-Tropez. O fato de morar em Aix-en-Provence ajuda, estamos a apenas 1h30. A cidade foi a minha inspiraçao para o meu novo romance “Amor em Jogo” e visita-la todos os ans faz parte das nossas férias. Uma delicia!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s