Comida típica baiana, em Salvador

Baianas no Pelourinho vendendo acarajé, cocadas e pé-de-moleque

Baianas no Pelourinho vendendo acarajé, cocadas e pé-de-moleque

Meu rei, como não se apaixonar pela comida regional baiana? Só o cheirinho do dendê do acarajé… já me conquista pelo estômago! De comer chorando (com medo de olhar a balança depois, rsrs).

A culinária baiana é praticamente toda herança afro-brasileira, com alguns itens portugueses. Se caracteriza por pratos com frutos do mar, e com muito dendê, leite de coco, amendoim e castanhas, e pimentas.

Tentei reunir aqui os quitutes maravilhosos (muitos não são uma exclusividade da Bahia) que eu tive o prazer (inenarrável! rsrs) de provar. Vou tentar incluir outros que encontrei por pesquisa ou foram sugeridos. Caso eu esqueça algo, por favor, me avise nos comentários ali embaixo.

Há barraquinhas de acarajé espalhadas por Salvador inteiro: essa fica ao lado do Farol

Há barraquinhas de acarajé espalhadas por Salvador inteiro: essa fica ao lado do Farol

Amooo Acarajé! E como aqui é uma democracia (rsrs), vou começar por ele. É um “sanduíche” de massa de feijão-fradinho frito em dendê, recheado com vatapá, caruru, vinagrete e camarão seco. Pode ou não ter pimenta (daí chamarem de “quente”). Onde comer? O melhor acarajé (e não sou só eu que digo, ele é eleito anos seguidos pela Veja e sei-lá-mais-quem) é o da Cira, numa barraquinha em Itapuã, bem na esquina em frente a praça. Tem uma “filial” em outra barraca  comandada pela filha da Cira no Largo da Mariquita, no Rio Vermelho.

Abará: igual ao acarajé, mas é embrulhado em folha de bananeira e cozido, ao invés de frito. Vende nos mesmos lugares que o anterior.

Vatapá

Vatapá

Vatapá: além de rechear o acarajé, o vatapá é acompanhamento de frutos do mar e muitos pratos regionais, no nordeste e no norte. É um creme que pode incluir farinha de rosca, fubá, pimentas, amendoim, castanha de caju, leite de coco e azeite de dendê, entre outros ingredientes. Pode adicionar também carnes ou frutos do mar.

Caruru: preparado com quiabo, amendoim, camarão seco, azeite de dendê e temperos. Recheia o acarajé, mas é servido como acompanhamento de pratos com carnes ou peixe, incluindo o Caruru completo.

Bobó de Camarão: Um tipo de purê de mandioca com leite de coco, azeite de dendê e temperos, onde são refogados camarões. De salivar, não? É uma delícia! O melhor que eu já comi meu pai quem faz, que é carioca, mas aprendeu com meu tio baiano Volney. Família sinistra na cozinha 😉

Moqueca Baiana: cozido de peixe em postas (pode ter ou não camarão também, ser só de camarão, só de mariscos – “mariscada”, ou outros frutos do mar, chegando a virar uma “caldeirada” quando tem todos), geralmente servido em panelas de barro. O diferencial da moqueca baiana é a presença, claro, do leite de coco e azeite de dendê na receita, além de coentro, cebola, tomate e pimentão (opcional).

Moqueca de camarão com vatapá e farofa de dendê.

Moqueca de camarão com vatapá e farofa de dendê.

Caldo de sururu

Caldo de sururu da tia Anelsa

Caldo de sururu: O sururu é um tipo de marisco pequenino. Ele é cozido em caldo feito com leite de coco e dendê, leva amendoim e temperos. É considerado afrodisíaco. O melhor que eu já comi é o da minha tia baiana Anelsa. Mas vocês conseguem encontrar outros a altura em restaurantes de culinária regional. rsrs

Caranguejo: Nesse caso, não tem mistério: os animais são cozidos inteiros com água e sal. Come-se com martelinhos para ir quebrando as carapaças. Prepare-se para se sujar e se deliciar! Amo, amo, amo! Onde comer? No Caranguejo de Sergipe, em Pituba – Salvador.

Lambreta: um molusco bivalve (desses de concha dupla), que pode ser comido cru com limão, cozido com água de coco, ou com diversos molhos por cima. Onde comer? A Veja elegeu o restaurante Lambreta Grill, no Rio Vermelho, como a melhor lambreta de Salvador.

Beiju: ou tapioca, é uma herança indígena, muito comum também no norte do país. É uma “folha” (igual a uma panqueca ou crepe) feita com goma de tapioca (fécula de mandioca) aquecida em frigideira. Recheada com o que você quiser, doce ou salgada. Onde comer? Há barracas específicas de beiju. No Largo da Mariquita, no Rio Vermelho, tem uma ao lado da barraca de acarajé bem boa.

Sobremesas

cocadasCocada: à base de coco ralado grosso, leva também leite, gemas de ovo e açúcar, mas sua receita pode variar bastante e incluir leite condensado, rapadura, leite de coco, coco queimado e polpas de frutas.

Pé-de-moleque: feito com rapadura e amendoim torrado. Onde comer? Junto com a cocada, vende-se em barraquinhas espalhadas por Salvador, às vezes as mesmas que vendem os salgados. Adoramos a que fica na frente da Casa de Jorge Amado, no Pelourinho.

Muitas delícias, né? E você? Curte algum outro quitute baiano que eu não falei? Diz aí!

Leia também:

5 opiniões sobre “Comida típica baiana, em Salvador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s