De Salvador a Boipeba com agência, e volta de avião

Moreré, Boipeba

Chegar a Ilha de Boipeba não é uma tarefa fácil. Salvador é a origem mais natural e intuitiva. E, apesar de a distância em linha reta entre Salvador e Boipeba ser de apenas 88Km, o caminho mais comum (via Valença) acaba levando cerca de 240Km e 5 horas para ser percorrido com uma combinação de diferentes meios de transporte.

Há diferentes alternativas para chegar em Boipeba, mas todas englobam ou alta duração e trocas de veículos, ou alto custo. Por ser uma ilha desconectada do continente, não se chega por via terrestre (de carro ou ônibus), apenas por via marítima (de barco) ou aérea (pequenos aviões).

Saindo de Salvador, o caminho mais usual inclui um ferry-boat até Itaparica (terminal Bom Despacho), de onde se pega um ônibus até Valença (ou Nilo Peçanha, ou Torrinhas), e então uma lancha rápida (ou outros tipos de barco) até Boipeba, o que leva cerca de 5h no total. A Vaneza com z expõem muito bem explicado todas as opções de transporte até a ilha.

Como eu fui de Salvador a Boipeba

Nós viajamos para Boipeba durante o carnaval, em uma viagem decidida sem muita antecedência. Entrei nos links da empresas que fazem cada trecho do transporte e logo a 1ª (o ferry boat da Internacional Travessias) estava esgotada em qualquer dos dias possíveis, na ida e na volta. Puts, e agora?

Então vi uma dica no blog Viaje na Viagem sobre a agência Island Tour. No site deles havia disponibilidade pra ida e volta, com desconto se comprasse ambas juntas. R$200 o trecho, ou R$185 comprando ida e volta. Mas o horário da volta não era interessante para nós. Arriscamos comprar só a ida. Foi o melhor que fizemos dentro das poucas alternativas restantes naquele momento. E vou explicar porque.

Pausa para contar o perrengue

Estava tudo certo para nossa viagem no sábado de carnaval. Estávamos no aeroporto do Galeão (Rio de Janeiro) às 6:30 para o vôo às 8:00. Chegaríamos às 10h em Salvador. O transfer nos pegaria no aeroporto e nos deixaria no porto atrás do Mercado Modelo. O ferry sairia às 12h, então ainda teria tempo para umas comprinhas no mercado.

Mas… o vôo foi cancelado. Can-ce-la-do. Assim, sem maiores explicações. Um vôo inteiro de passageiros inconformados vendo seus planos serem alterados ou destruídos (uma menina chorando porque perderia o bloco em Salvador na mesma tarde). Enquanto aguardamos mais de 2h para atendimento e conseguir remarcar para outro voo às 16h (sim, 8 horas depois), consegui entrar em contato com a agência para remarcar nosso transfer para o dia seguinte, no 1º horário, e ainda mudar local de origem (do aeroporto para algum hotel em Salvador). Pois é, não teria como chegar em Boipeba no mesmo dia, pois a ultima saída viável do aeroporto é às 12:00 (lembra que leva 5h no total?). Não tem como fazer o trecho marítimo à noite. Imagina minha satisfação com a Latam… (ggggrrrhhh) Perdemos 1 dia de viagem, e 1 diária não-reembolsável em Boipeba. Pelo menos, consegui a troca do transfer com a agência, sem custo. Por isso disse que fechar com a Island Tour foi o melhor que eu fiz. Caso tivesse comprado cada trecho independente, teria perdido tudo e até cancelado a viagem.

Transfer com a Island Tour

Enfim, com um dia de atraso, fomos para Boipeba. A Island Tour vende o transfer operado pela LCR Brisa turismo. O pessoal da LCR estava no nosso hotel em Salvador no horário marcado (às 5:45 da manhã). Houve um contratempo sobre de onde sairíamos, se do terminal São Joaquim ou do Mercado Modelo. Isso acabou atrasando a saída das 7h para as 8h. Saímos de São Joaquim no ferry boat para Itaparica. A viagem levou umas 1h15. Nesse trecho a LCR consegue as passagens (provavelmente possui uma cota com a operadora dos ferrys), mas viajamos junto com os turistas normais.

ferry boat Boipeba

Ferry-boat na saída de Salvador (terminal marítimo São Joaquim) com destino a Itaparica (terminal Bom Despacho)

ferry boat, Itaparica

Vista do ferry: a esquerda a cidade de Salvador, a direta Itaparica

Valença, BahiaNo terminal Bom Despacho em Itaparica, havia um micro-ônibus da LCR nos aguardando. Esse trecho terrestre dura cerca de 2h. Na entrada de Valença, o micro-ônibus parou e só eu e marido passamos para um carro. Éramos os únicos indo a Boipeba, o restante seguia para Morro de São Paulo e iriam a um terminal diferente do nosso.

Seguimos de carro mais um trechinho até o terminal de Valença, no Rio Una. Chegamos às 11:20 mais ou menos. A lancha sairia às 12:00. Ainda tivemos um tempinho ali para ir ao banheiro, comer alguma coisa e aguardar. Nossa lancha era da Dáttoli & Garcia transporte marítimo, também aberta a outros turistas. A LCR apenas intermediou as passagens, mas valeu chegar com elas já nas mãos. Pagamos mais R$1,25 por pessoa para acessar o terminal.

Valença, Bahia

Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus, em Valença

Valença, Bahia

Terminal hidroviário de Valença

Enfim, o último trecho até Boipeba, de lancha. O mais bonito, através dos manguezais. E o mais rápido, 1h. Então, chegamos em Boipeba! Ufa!

Boipeba, Bahia

Vista de Boipeba, chegando pelo Rio do Inferno

Retorno de Boipeba a Salvador de avião

Havia a opção de retornar a Salvador com a mesmo agência e mesmos transportes. Porém o horário era bem ruim. Sairia às 7:00 do porto em Velha Boipeba, o que nos faria acordar às 5:30 e sair cedo do hotel perdendo o café-da-manhã. Além de encarar as 5h novamente se deslocando.

Na agência Bahia Terra é possível conferir os horários e preços do avião. R$610 por pessoa, podendo parcelar. Mais uma taxa de uso da pista de R$150 a ser dividida entre os passageiros, paga no dia do voo. Também no dia do voo, é necessário pagar R$30 pelo transfer de barco de Boipeba pra fazenda do outro lado do rio, já na Ilha de Tinharé. Havia apenas o voo de 11:15 na quarta-feira de cinzas, um voo extra. Os horários normais são 09:15 – 13:15 – 16:15, que estavam lotados devido ao feriadão e a alta procura.

No dia do voo, às 10:20, dois guias da Bahia Terra pegam o passageiro na pousada, levando a mala no carrinho de mão, o famoso “táxi” de Boipeba. A parada é no shopping da Boca da Barra, onde se paga as  taxas de transfer e da pista. Então uma lancha rápida sai dali mesmo e atravessa o Rio do Inferno.

Rio dos Infernos, Boipeba, Bahia

Atravessando o Rio dos Infernos

Chegando na Fazenda Pontal (do dono da rede de mercados Cencosud), do barco se passa para uma caminhonete (bastante desconfortável), e segue um trecho que daria pra ser feito a pé. Chegando na cabeceira da pista, precisa aguardar um pouco. Então chega o avião, da Addey Táxi Aéreo. Um aviãozinho. Bem pequenino. Cabiam 5 pessoas, além do piloto. E nenhum copiloto. hahaha Sabe aquele momento ‘riso de nervoso’? Mas bora encarar.

Fazenda Pontal, Boipeba, Bahia

Fazenda Pontal

voando entre Boipeba e Salvador

E não é que é uma linda viagem? Com vistas maravilhosas. E curta.

imagem aérea Morro de São Paulo

imagem aérea Morro de São Paulo

aérea de Morro de São Paulo

Chegamos no aeroporto em Salvador em 30 minutos. Com tempo de sobra para deixar as malas em um guarda-volumes e ir até o Mercado Modelo, Shopping Salvador, e voltar tranquilos pro nosso voo a noite. Que saiu na hora. Ufa!

Leia também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s